segunda-feira, 12 de março de 2012

Ao Deus desconhecido!


Antes de prosseguir em meu caminho
E lançar o meu olhar para frente
Uma vez mais elevo, só, minhas mãos a Ti,
Na direção de quem eu fujo.

A Ti, das profundezas do meu coração,
Tenho dedicado altares festivos,
Para que em cada momento
Tua voz me pudesse chamar.

Sobre esses altares está gravada em fogo
Esta palavra: “ao Deus desconhecido”
Seu sou eu, embora até o presente
Me tenha associado aos sacrílegos.

Seu sou eu, não obstante os laços
Me puxarem para o abismo.
Mesmo querendo fugir
Sinto-me forçado a servi-Te.

Eu quero Te conhecer, ó Desconhecido!
Tu que me penetras a alma
E qual turbilhão invades minha vida.
Tu, o Incompreensível, mas meu Semelhante.
Quero Te conhecer quero só te servir.

  Friederich Nietzsche
Texto retirado do livro: 
O semeador de idéias de Augusto Cury.
(traduzido do alemão por Leonardo Boff


4 comentários:

✿ chica disse...

Maravilhoso texto!!! Que tua semana seja linda!beijos,chica

Luma Rosa disse...

Melhor que ler esse texto, é ler os comentários de Leonardo Boff - veja:

http://leonardoboff.wordpress.com/2011/04/01/   oracao-de-nietzscheao-deus-desconhecido/

Boa semana!! Beijus,

Élys disse...

Belíssimo poema!... Muito lindo...
Beijos.

Anne Lieri disse...

Uma poesia muito linda!Oração que comove,adorei te visitar!Bjs,

Voltar ao topo