sexta-feira, 20 de maio de 2011

A pipa e a flor



Fiquei triste vendo aquela pipa enroscada no galho da árvore. Rasgada, ela girava que girava, ao vento, como se quisesse escapulir. Mas não adiantava... as cores e as formas (que são tantas! ) a gente escolhe aquelas que o coração está pedindo. Pipa pra ser boa, tem que se parecer com os nossos desejos. (E eu penso que as pessoas também, para serem boas, tem de ter uma pipa solta dentro delas...) Não é preciso vento forte. Uma brisa mansinha deve chegar para levá-las até lá em cima, perto das nuvens. É Por isso que elas tem de ser bem leves, o vento chega, as folhas das árvores tremem, e lá vão elas subindo, pra dentro do vazio do céu... Só que tem uma coisa gozada. Pipa, pra subir tem de estar amarrada na ponta de uma linha. E a outra ponta é uma mão que segura...
 Pois é, era uma vez uma pipa.
Ô, pipa boa: levinha, travessa, subia alto... gostava de brincar com o perigo, vivia zombando dos fios e dos galhos das árvores... amigos tinham aos montões. E os seus olhos iam agradando a todos eles, sempre com aquela risada gostosa, contando casos...
Mas aconteceu um dia, ela estava começando a subir, correndo de um lado para outro no vento, olhou parra baixo e viu, lá num quintal, uma flor. Ela já havia visto muitas flores. Só que desta vez os seus olhos e os olhos da flor se encontraram, e ela sentiu uma coisa estranha. Não, não era a beleza da flor. Já vira outras, mais belas. Eram os olhos...


Quem não entende pensa que todos os olhos são parecidos, só diferentes na cor. Mas não é assim. Há olhos que agradam, acariciam a gente como se fossem mãos. Outros dão medo, ameaçam, acusam, e quando a gente se percebe encarados Por eles, dá um arrepio ruim pelo corpo. Tem também os olhos que colam,hipnotizam, enfeitiçam...
Ah! Você não sabe o que é enfeitiçar. Enfeitiçar é virar a gente pelo avesso: As coisas boas ficam escondidas, não tem permissão para aparecer; e as coisas ruins começam a sair. Todo mundo é uma mistura de coisas boas e ruins, as vezes a gente está sorrindo, as vezes está de cara feia. Mas o enfeitiçado fica sendo uma coisa só... A pipa ficou enfeitiçada... e assim resolveu mudar de dono e deu sua linha para ela segurar...
Florzinha, me solta... E a florzinha soltou. Mas a flor... teve inveja da pipa. Tinha raiva ao ver a felicidade da pipa, longe dela... Se a pipa me amasse ficaria o tempo todo aqui comigo...
E a inveja juntou-se ao ciúme.
Inveja é ficar infeliz vendo as coisas bonitas e boas que os outros tem, e nós não
Ciúme é a dor que dá quando a gente imagina a felicidade do outro, sem que a gente esteja com ele. E a flor começou a ficar malvada.
Ficava emburrada quando a pipa chegava.
Exigia explicações de tudo... A pipa não mais podia voar. E assim ficou, amarrada junto a flor, mas mais longe dela do que nunca, porque o seu coração estava em sonhos de voos e nos risos de outras tempos! A pipa percebeu que havia mais alegria na liberdade de antigamente que nos braços de flor. Porque aqueles eram braços que amarravam.  E assim, num dia de grande ventania, e se valendo de uma distração da flor, arrebentou a linha, e foi em busca de uma outra mão que ficasse feliz vendo-a voar nas alturas.
 Rubem Alves.

 As vezes em nossa vida somos  pipa e outras somos flor. Esquecemos que amar significa deixa o outro livre para voar com suas próprias asas.




6 comentários:

Bel Rech disse...

Que lindo texto...para refletir e nos encontrar..
paz e bem

Nilce disse...

Que texto maravilhoso.
Tentar segurar um amor é como expremer água nas mãos. Ela sairá pelos vãos. Enquanto que, se com carinho fizermos um ninho com elas, a água ficará ali paradinha e poderá matar nossa sede.

Bom final de semana.

Bjs no coração!

Nilce

Taia Assunção disse...

Belo texto. Beijocas e bom final de semana.

Vieira Calado disse...

Pois sim!

Nos olhos é que está a virtude!

Bjjsss

Elcio Tuiribepi disse...

Olá amiga...muito reflexivo o seu texto...
Ler sobre Pipas mesmo sendo num sentido figurado me faz lembrar da infância...
Assim feito hoje muitas vezes a perdemos...elas voam e caem em outras mãos...assim feito a flor que quando arrancada deixa orfãos nossos olhos de admirar
parabéns pela escrita...
Um abraço na alma...bom domingo
Obrigado pela presença lá no Verseiro
Beijo

Poemar... na Primavera! ❥¸¸✿¸¸.☆¨✿¯`♥...♥❥ƸӜƷ ♥ disse...

Mas que lindo poema, poetisa amiga. Tanta sensibilidade... É necessário sentir-se a pipa... sentir-se a flor... sentir-se até o próprio vento. Tantos "papéis"... linda "viagem".

Amo o teu espaço e admiro a tua tamanha sensibilidade...
Beijos de LUZ e bem querer sempre... ♥♫♪•♥¸¸.•*¨*•♫♪♥☆•*♥*,,

Voltar ao topo