terça-feira, 4 de janeiro de 2011

A criação de Deus.


Então Deus escancarou as portas do espaço
Olhou em volta de si e disse: 
Estou só! 

Vou construir um mundo para mim.
E tão longe quanto os olhos de Deus pudessem ver,
As trevas cobriam todas as coisas
Mais negras que cem noites fechadas
Lá longe, num pântano de cipreste.
Então Deus sorriu, e a luz resplandeceu,
E as trevas rolaram de um lado
E a luz brilhou do outro.
E Deus disse: "Tudo está bem feito".
Então Deus se inclinou e apanhou a luz em suas mãos,
E Deus enrolou a luz em suas mãos,
Para com ela fazer o sol;
Depois atirou para o céu o sol ardente.
E da luz que restava
Deus fez uma bola brilhante
E quebrou-a de encontro às trevas,
Enfeitando a noite com a lua e as estrelas.
Assim, para baixo, entre trevas e luz,
Precipitou o mundo;
E Deus disse: "Está tudo bem feito".
Então o próprio Deus desceu.
Tendo o sol em sua mão esquerda
E a lua em sua mão direita,
E a terra sob seus pés.
E Deus andou, e onde apoiou os pés
Os vales se aprofundaram,
Forçando em volta que as montanhas se elevassem.
Então ele parou, olhou e viu
Que a terra estava quente e nua.
Então, Deus, num só passo, chegou à extremidade do mundo,
E cuspiu os sete mares.
Franziu as sobrancelhas e os raios riscaram o céu.
Bateu palmas e os trovões desabaram,
E as águas de cima caíram sobre a terra.
E as águas refrescantes jorraram,
E as florezinhas vermelhas se abriram
E o pinheiro apontou para o céu com seu único dedo,
E o carvalho estendeu seus braços;
Os lagos se esconderam nos buracos do solo
E os rios correram para o mar.
Então Deus sorriu outra vez, 
E o arco-íris apareceu
E se enrolou nos seus ombros.
Então Deus levantou o braço e agitou a mão
Por cima do mar e por cima da terra,
E Ele disse: " Que nasça a vida".
E antes que o braço de Deus baixasse,
Os peixes, os bichos e as aves,
Invadiram os rios e os mares,
Correram pelas florestas e pelos bosques,
E cortaram o mar com suas asas,
E Deus disse: " Tudo está bem feito".
Depois Deus andou, e Deus olhou
Tudo o que Ele havia feito
Olhou o sol e a lua,
Olhou, as estrelinhas
Olhou o mundo inteiro com suas coisas vivas
E Deus disse: " Ainda estou só".
Então Deus se sentou 
Na vertente de uma colina, onde pudesse pensar;
Com cabeça entre as mãos, Deus meditou durante dias e dias,
E Ele pensou: " Vou fazer um homem para mim'.
Do mais fundo do rio Deus raspou o barro,
E na margem do rio ele se ajoelhou;
E aí, o grande Deus todo poderoso, 
Que iluminou o sol e o pregou no céu
Que espalhou as estrelas nas lonjuras da noite,
Que arredondou a terra na palma da mão,
Este grande Deus, aí, como uma mamãe,
Se inclinou sobre seu filhinho, 
Se ajoelhou na poeira
E trabalhou, e trabalhou um bloco de barro
Para modelá-lo à sua imagem;
Então, dentro dele, Ele soprou o sopro da vida,
E o homem se tornou uma alma viva.
Amém, amém.


Poema de Weldon Johnson
   



5 comentários:

Nilce disse...

Lindo, lindo.
Perfeito como a Criação.
Obrigada por compartilhar querida.

Bjs no coração!

Nilce

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Que coincidência legal. Já escrevi assim. 'E Deus contemplando o universo pensou. de que adianta ser dono disso tudo sozinho? Então criou o homem'. Senão uma nova versão de Gênesis, pelo menos uma visão mais poética. Um abraço

Denise Lopes disse...

Nossa que poema lindo....quanta mensagem bonita, quanta coisa boa e produtiva para pensarmos...gostei muito...beijos e boa quarta

Élys disse...

Um bonito poema, uma forma poética de mostrar a criação.
Beijos.

Esplendor da criação disse...

ooooooooooooooooooo

Voltar ao topo