quinta-feira, 28 de outubro de 2010

O terno imperfeito.


Um homem veio a um alfaiate, para experimentar um terno. Ele notou que  o
colete estava irregular e reclamou. "Ora, disse o alfaiate, não se preocupe com 
isto, é só puxar a ponta mais curta com a mão esquerda e ninguém vai notar".
O cliente então percebeu que a lapela do paletó estava com a ponta enrolada.
"Isso, diz o alfaiate, não é nada. É só virar a cabeça um pouco e segurar a lapela
no lugar com o queixo". O freguês obedeceu. Mas daí viu que a costura entre as 
pernas estava curta, o gancho parecia apertado. "Ora nem pense nisso, disse o 
alfaiate. Puxe o gancho para baixo com a não direita e tudo fica perfeito". O freguês
concordou e comprou o terno. No dia seguinte, o homem estreou o terno com todas 
as alterações de queixo, mãos, etc... Enquanto ia mancando pela rua, com o queixo
segurando a lapela, dois velhos pararam para vê-lo passando com dificuldade.
Meu Deus disse o primeiro! Veja este pobre aleijado! Porém, o segundo comentou:
É verdade, é aleijado, mas onde será que ele comprou um terno tão elegante e 
perfeito? 
Você já se viu numa situação assim?  

Tentando se modificar a qualquer custo para tudo parecer perfeito e ficar impecável?
Até bem pouco tempo essa era uma característica muito mais feminina. Hoje muitos
homens andam fazendo a mesma coisa. Enfim, quantas pessoas tentam se moldar, se
se estruturar ou encaixar suas vidas como em ternos que não servem, mesmo que isto
custe "aleijar a si mesmo". Tem pessoas que me dizem: Deixei de ser quem eu era só 
para fazer tudo dar certo. Outras me dizem: " O que falta para ela ficar satisfeita já que
me viro para onde ela quer só para agradá-la"? Outras dizem: "Há muito me modifiquei, 
ou melhor,me deformei em prol da família". Uma pessoa numa cena de um filme disse:
"Vivo hoje como uma aleijada que nota que as coisas estão erradas, que percebe que 
estão tortas, que não estão caindo bem, e que a cada dia fico mais deformada do que já 
fui. Puxo dali, puxo daqui, viro a cabeça para lá, para cá, mas só sinto incômodo e desconforto.
Se pudesse soltava toda as amarras que me prendem e vivia novamente livre.
Desestruturada para os outros mas perfeita para mim. A vida perfeita é aquela 
que cai bem a você, sem que você tenha que sofrer para se adaptar ou para se 
adequar ao que o outro diz ser correto. Reformar sim. Sempre é possível passar
por uma reforma da vida e na vida, para que as coisas se encaixem melhor e 
tenham uma boa apresentação. Mas isso é muito diferente de você se deformar
em prol de se enquadrar no que esperam que você faça. Divirta-se no que você
gosta, trabalhe como você gosta, seja quem você gosta e muito mais chance
você tem de parecer adequado e perfeito aos olhos dos outros. O preço de nos
transformarmos no que não nos serve em prol de parecer dar tudo certo e ser
perfeito pode sim é parecer que você é o aleijado da história. Pior, pode deixar 
a mostra sua infelicidade, bem na contramão do que você gostaria que é parecer 
pelo menos bem apresentável. Se você puder ir além, dar uma virada de mesa em 
sua vida e passar a viver dentro do molde que cabe à você, então você pode conhecer 
o sinônimo do que seja felicidade.

Texto da psicóloga, Cris Manfro.

2 comentários:

Vivi Oliveira disse...

Caramba! Que baita reflexão...essa história eu não conhecia,até sei outras semelhantes para a mesma moral, mas essa é nova. Nem Jesus agradou a todos, vamos enlouquecer se tivermos essa pretensão. Amei o post! Cheiro! Vivi Oliveira

Pelos caminhos da vida. disse...

Uma gde reflexão sem dúvida...

Bom domingo.

beijooo.

Voltar ao topo