terça-feira, 19 de outubro de 2010

Abrir e fechar portas.


Um dia desses fiquei surpresa e me senti privilegiada quando uma pessoa
abriu a porta de um carro para mim. Pura gentileza, educação e respeito. Nossa! 
Há quanto tempo alguém não me abria uma porta. Sempre fui do tipo que já sai 
abrindo todo os tipos de portas. Nunca fui de dar uma chance para alguém abrir 
portas para mim. Sendo assim, comecei a pensar em quantas portas eu andava
abrindo e quantas outra fechando para mim mesma e também para os outros.
Pensei nas portas que eu não permitia que me abrissem ou naquelas que eu
gostaria que me abrissem, mas deixava. A vida é assim: Um eterno abrir e fechar 
de portas, uma eterna disputa entre o sim e o não. Quantas portas você tem
aberto ou fechado para você mesmo? Quantas vezes você diz sim quando 
devia dizer não e quantas vezes você diz não quando deveria... ou poderia...
dizer sim? Quantas vezes você diz sim ao si e não ao não? A vida é essa eterna 
luta, travada nos vários sim e não dos nossos destinos e relacionamentos. Uma
experiência boa pode muitas vezes ser uma perda, a partir do momento que você 
aprende certas coisas. Uma perda pode ser uma experiência boa se você aproveita
para crescer e melhorar. As portas, os sim e os não, as experiências e os sentimentos
com essas experiências, são os dilemas e as contradições da vida. Para cada porta
que se abre, outra fecha. Para cada porta fechada, outra abre. Para cada sim há o 
descaso com o não. Para cada não existe o abandono de um sim. O que é sim para
mim pode ser também para você. Ou pode não ser. O que é não para mim pode ser
sim para você. Uma porta aberta para mim pode ser uma porta fechada para você.
Uma porta fechada para mim pode ser uma porta aberta para você. Mas, uma porta
fechada para nós dois pode ser uma porta aberta para outra pessoa. Fechando a 
porta de alguém podemos abrir a porta para nós. O dilema é saber quando abrir a  
porta, quando fechar, quando dizer sim, quando dizer não. Quando você diz sim e
queria dizer não e quando diz não querendo muito dizer sim. Como optar por abrir
ou fechar a porta? Com tantas portas, quais manter fechada e quais abrir?  Em qual
delas entrar? Qual delas abrir para sair? Em cada sim e em cada não um destino, 
um caminho. Em cada porta uma existência... boa ou ruim. E para complicar tudo 
ainda existe o talvez. Ele pode ser sim e pode ser não. Pior! O talvez ora é sim e ora
é não. E para alguns ele é o sim num instante e não em outro. Nesse jogo de escolhas
construímos a vida. O que chamamos de vida chamamos de existência. E a existência
chamamos de identidade, quando a tudo poderíamos resumir em vários sim, vários
não, Vários Eu!


Texto de Cris Manfro, psicóloga e terapeuta de casais.

2 comentários:

Majju disse...

Vamos então abrir as portas...
para nós, para os outros, para a vida.
Tenha um lindo dia.
Beijos doces e perfumados.

Suziley disse...

Lindo texto!! Lindo o seu blog, já o estou seguindo também. Uma boa semana, boa noite, beijos :)

Voltar ao topo