quarta-feira, 11 de agosto de 2010

O alecrim.



Há dias em que se tem a impressão de estar dentro de um espesso nevoeiro.
Tudo parece monótono e difícil e o coração fica triste. É a noite escura da alma!
Era meu aniversário e justamente um destes dia estranhos, quando pensei: 
"Vou tomar um chá de alecrim".Fui ao jardim e lá encontrei um viçoso pé de 
alecrim. Interessante é que quase todos que visitam nossos jardins demonstram 
afeição e respeito pelo alecrim. Confesso que nunca liguei muito para ele. Mas, 
naquele dia, com toda reverência colhi alguns ramos, preparei um chá e me servi 
com uma bela xícara. O aroma era muito agradável e, a cada gole que bebia, sentia 
a mente ir clareando. Uma sensação de bem estar e alegria foi se espalhando pelo 
corpo e senti uma enorme felicidade. Fiquei muito impressionada com a capacidade
dessa planta transmitir alegria. Aliás, o nome alecrim já lembra alegria. Resolvi 
pesquisar a respeito e vejam só que maravilha. O alecrim-Rosmarinos officinalis, 
planta nativa da região mediterrânea- foi muito apreciada na Idade Média e no 
Renascimento, aparecendo em várias fórmulas, inclusive a " Água da Rainha da 
Hungria", famosa solução rejuvenescedora. Elizabeth da Hungria recebeu, aos 
72 anos, a receita de um monge quando estava paralítica e sofria de gota. Com 
o uso do preparado, recobrou a saúde, a beleza e a alegria. O rei da Polônia chegou 
a pedi-lá em casamento. Madame de Sévigné recomendava a água de alecrim, 
contra a tristeza, para recuperar a alegria. Rudolf Steiner afirmava que o alecrim é, 
acima de tudo, uma planta calorífera que fortalece o centro vital e age em todo o 
organismo. Além disso, equilibra a temperatura do sangue e, através dele  todo o 
corpo. Por isso é recomendado contra a anemia, menstruação insuficiente,
e problemas de irrigação sanguínea. Também atua no fígado. E uma melhor 
irrigação dos órgãos estimula o metabolismo. O alecrim é  digestivo e sudorífero. 
Ajuda a assimilação do açúcar (no diabetes) e é indicado para recompor o sistema 
nervoso após uma alonga atividade intelectual. É recomendado para a queda de cabelo, 
caspa, cuidados com a pele, lesões e queimaduras. Também para cura 
resfriados e bronquites, para cansaço mental e estafa e, ainda para perda de 
memória, aumentando a capacidade de aprendizado.

 Existe uma lenda a respeito do alecrim:

Quando Maria fugiu para o Egito, levando no colo o menino Jesus, as flores 
do caminho iam se abrindo à medida que a Sagrada Família passava por elas. 
O lilás ergueu seus galhos orgulhosos e emplumados, o lírio abriu seu cálice. 
O alecrim, sem pétalas nem beleza, entristeceu-se lamentando não poder agradar  
o menino. Cansada, Maria parou à beira do rio e enquanto  a criança dormia 
lavou suas roupinhas. Em seguida, olhou ao seu redor, procurando um lugar para 
estendê-las. O lírio quebrará sob o peso e o lilás é alto demais. Colocou as 
então sob o alecrim e ele suspirou de alegria, agradeceu de coração a nova 
oportunidade e as sustentou ao sol durante toda manhã. Obrigada gentil alecrim, 
disse Maria! Daqui por diante ostentarás flores azuis para recordar o manto 
que estou usando. E não apenas flores te dou em agradecimento, mas todos os 
galhos que sustentaram as roupas do menino Jesus, serão aromáticos. Eu abençoo 
caule, folhas e flor, que a partir deste instante terão aroma de santidade e emanarão 
alegria... e assim foi!

Texto recebido por e-mail.

2 comentários:

Universo Paralelo em Versos disse...

Lindo texto, e a fábula eu não conhecia.... abracei esta poesia com todo carinho ao meu coração!Teu Blog é um lugar que emana a paz. Abraços!

Maria da Graça Reis disse...

Ainda não tinha visto essa postagem. Amei,vou experimetar!
Beijos no coração!

Voltar ao topo